Estresse no trabalho

O interesse pelo estudo do estresse no trabalho tem sido crescente na literatura científica nos últimos anos, devido às evidências do impacto negativo do estresse ocupacional na saúde e no bem-estar dos empregados e, consequentemente, no funcionamento e na efetividade das organizações.

Na economia, o impacto negativo dessa variável tem sido estimado com base nos achados de que trabalhadores estressados diminuem seu desempenho e aumentam os custos das organizações com problemas de saúde, com o aumento do absenteísmo, do presenteísmo, da rotatividade e do número de acidentes no local de trabalho.

Para o indivíduo os fatores psicossociais são importantes causadores do estresse profissional, incluindo aspectos como relacionamentos interpessoais, autonomia ou dependência no desenvolvimento de suas funções, retardo ou desenvolvimento precoce dentro da carreira e conflitos e conflitos no ambiente de trabalho.

O estresse no trabalho pode agravar quadros como depressão, transtornos ansiosos e o burnout.