Transtorno da Compulsão Alimentar

O Transtorno da Compulsão Alimentar (TCA) foi descrito por Stunkard (1959), num grupo de obesos com episódios compulsivos, mas sem medidas compensatórias como uso de laxantes ou provocação do vomito, como observado em pacientes com Bulimia Nervosa.

O TCA é um transtorno de alimentação que se caracteriza por ingestão de grande quantidade de alimento em um período de tempo delimitado, ocorrendo pelo menos dois dias por semana durante seis meses.  Este comportamento deve estar associado à perda de controle sobre a qualidade e quantidade de comida ingerida, gerando sentimentos de angústia subjetiva, nojo, vergonha e culpa por não ter o autocontrole sobre o alimento.  São frequentes conflitos de convivência social e isolamento, não acompanhados de comportamentos compensatórios dirigidos para a perda de peso.

Pacientes com TCA são grupo de risco para ganho de peso, sendo que aproximadamente 65% são obesos, embora esse transtorno possa ocorrer também em indivíduos com peso normal. Apresentam maior comorbidade com depressão, abuso de álcool e drogas, transtorno de personalidade, doenças crônicas, como diabetes mellitus, hipertensão arterial sistêmica, doenças cardiovasculares e síndrome metabólica, e insatisfação com a imagem corporal quando comparados com os obesos sem o transtorno.

Alguns estudos permitiram identificar que indivíduos com TCA se caracterizam por apresentarem maior peso, mais oscilação ponderal, maior preocupação com peso e forma, comparados àqueles sem o quadro.

 

Transtornos alimentares

Obesidade